Quem somos

aercioAercio Barbosa de Oliveira nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1965. Desde jovem, compatibilizou o trabalho (laboratório químico) com iniciativas no campo da arte, política e direitos humanos. Atuou em movimentos e organizações sociais (sindicalismo, associativismo de bairro, grupos culturais e de educação popular); profissionalizou-se como fotógrafo e lecionou em cursos de fotografia, estudou roteiro e produção de vídeos. Em 2010 graduou-se em filosofia – bacharelado e licenciatura na UERJ.  Atualmente, cursa o mestrado no Programa de Pós-graduação em Filosofia da UERJ, onde pesquisa os efeitos da inovação  na epistemologia das ciências naturais e da vida, e continua a trabalhar em uma organização que presta assessoria a grupos sociais que tem seus direitos violados.


PhilotAndre Philot é graduado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Sua monografia “A “Axiomática” Euclideana, sua reformulação moderna e a análise de Poincaré sobre sua natureza” foi orientada pelo professor Antonio Videira em 2009. Atualmente faz mestrado em Filosofia também pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e sua pesquisa é sobre a concepção epistemológica de Poincaré que ficou conhecida pelo nome de “Convencionalismo”. Possui interesse em Filosofia da Física, Filosofia da Matemática e as relações entre Ciência e Arte.


 

Pós-Doutorando do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Doutor em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008). Mestre em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2003). Graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1999). Área de atuação: Filosofia da Ciência. Interesse específico nas temáticas: Relação entre Ciência e Sociedade; Relativismo versus Realismo; Interdisciplinaridade; Construção Social do Conhecimento; Science Studies; Medicalização da Sociedade; Complexo Médico-Industrial.


 

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986) e doutorado em Filosofia – Universite de Paris VII – Universite Denis Diderot (1992). Realizou estudos doutorais na Universidade de Heidelberg (1988-1989) e na Universidade de Paris VII (1989-1992). É professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, além de professor colaborador no Programa de Pós-Graduação em epistemologia e História das Ciências e das Técnicas da UFRJ, no Programa de Ensino e História da Matemática (UFRJ) e pesquisador visitante no CBPF. Foi pesquisador do Observatório Nacional de 1994 a 1999.Em 2006, estagiou durante um mês no Max-Planck Instut fuer Elementarteilchenphysik (Munique, Alemanha), onde realizou pesquisas no Arquivo Werner Heisenberg. Realizou estágios de pós-doutoramento nas Universidades de Évora (Portugal), Federal da Bahia, Federal de Santa Maria, Estadual de Campinas (2003), Humdolt-Universität em Berlim (2010, Alemanha) e nos Archives Henri Poincaré (2010, França). Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia da Ciência, atuando nos seguintes domínios: filosofia da natureza, filosofia da física, história da astronomia, biografias científicas, história da física e divulgação da ciência. É membro correspondente da Academia Paraense de Ciências desde 2011.


Imagem 147Camila Lantiman possui graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, neste período desenvolveu sua monografia em torno da análise da trajetória intelectual de Thomas S. Kuhn e sua relação com a Filosofia e a Historia da Ciência, sob orientação do Prof. Dr. Antonio Augusto Passos Videira, em 2010.  Participa do Laboratório de Licenciatura e Pesquisa sobre o Ensino de Filosofia (LLPEFIL), coordenado pela Profa. Dra. Dirce Eleonora Nigro Solis, desde 2009.  Atualmente é aluna do mestrado do Programa de Pós Graduação em Filosofia pela UERJ tendo como objeto de pesquisa o estudo das práticas científicas e a questão dos valores na ciência com base nas obras de Hugh Lacey.


  • Carlos Fils Puig

C PuigCarlos Fils Puig, Carlinhos, nasceu em Petrópolis em 1968, filho de mãe austríaca e pai guatemalteco. Carlinhos é tradutor e revisor profissional. Sua primeira formação, incompleta, foi o curso de cinema, na UFF, iniciado em 1986. Entre 1994 e 2010 trabalhou como conselheiro em clínicas de recuperação para a dependência do álcool e de outras drogas. Em 2009 formou-se bacharel em filosofia pela USP e mestre no Programa de Pós-graduação em Filosofia da UERJ, com uma pesquisa sobre o uso de analogias e metáforas na ciência em James Clerk Maxwell. Atualmente, cursa o doutorado no mesmo programa, desenvolvendo pesquisa sobre a beleza como critério epistêmico em teorias científicas.


Professora adjunta do Departamento de Fundamentos da Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM) na área de Metodologia de Pesquisa desde abril de 2012. Antes disso trabalhou 20 anos como tradutora técnica e revisora freelancer. É bacharel em Filosofia pela UERJ (2004), mestre em Filosofia pela PUC-Rio (2006) e doutora em Letras (Estudos da Tradução) pela PUC-Rio (2010) com um estágio doutoral de seis meses na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Iniciou a carreira docente em 2005, lecionando várias disciplinas de Filosofia, sobretudo Filosofia da Ciência, nos Departamentos de Filosofia da UERJ, PUC-Rio e Instituto Metodista Bennett. Ademais, colaborou como docente no curso de formação de tradutores da PUC-Rio e realizou pesquisa no Museu de Astronomia (MAST) sobre a história do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA).


D San GilDavi San Gil possui Bacharelado (2006) e Licenciatura (2007) em Filosofia, ambos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 2008 concluiu o mestrado em Filosofia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro sob a orientação do Professor Antonio Augusto Videira, tematizando a reavaliação contemporânea do Positivismo Lógico. Tem experiência em ensino a distância (EAD), atuando desde 2010 como tutor da disciplina Filosofia da Ciência para o curso de Licenciatura a Distância em Matemática da Universidade Federal Fluminense (Convênio CEDERJ-CECIERJ). De 2008 a meados de 2013 lecionou Filosofia em escolas de ensino médio na rede pública do Estado do Rio de Janeiro. Desde julho de 2013 atua como professor de Filosofia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ).


21125_612963232047437_1994229946_nAutora do livro “História da Física na Sala de Aula” publicado em 2009 pela editora Livraria da Física e do blog “Minha Vida é um Blog Aberto”. Doutora pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro em Filosofia da Ciência (2013), mestre em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007),  graduada em Física também pela UFRJ (1996). Atualmente está pesquisando temas sobre filosofia das ciências e história das ciências nos séculos XVII e XVIII, escrevendo livros de Filosofia da Ciência para adolescentes e crianças e é professora de física do ensino médio e técnico do CEFET/Maracanã (ingresso em 2006).


  • Felipe Tovar Falciano

FalcianoAtualmente é pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas com experiência nas áreas de cosmologia e gravitação. Possui graduação em bacharelado (2001) e licenciatura (2001) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, mestrado (2004) e doutorado (2008) em cosmologia pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas.


Fernando Fragozo é graduado em Ciências Econômicas pela UFRJ, Mestre em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ e Doutor em Comunicação em Cultura pela UFRJ. Realizou Doutorado-Sanduíche na Université de Technologie de Compiègne e Pós-Doutorado em Filosofia na École Normale Supérieure de Paris. É Professor Associado da Escola de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFRJ, e Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UERJ. Atualmente, é Coordenador do GT Heidegger da ANPOF. Tem experiência nas áreas de Filosofia e Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: Hermenêutica, Fenomenologia, Desconstrução e Filosofia da Técnica.


Heraclio TavaresHeráclio Tavares é estudante de doutorado no Programa de pós-Graduação em História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele também é mestre em História Social pelo Programa de pós-Graduação em História Social da UFRJ, instituição onde ainda realizou seu bacharelado e licenciatura em História. Heráclio foi bolsista PIBIC no Museu de Astronomia e Ciências Afins (2008 – 2009) e escreveu uma dissertação sobre interesses não revelados do Governo dos EUA na constituição e envio, a diferentes locais pelo Mundo, de expedições científicas para a observação de eclipses do Sol. Entre estes interesses, destacou-se o aprimoramento de armamentos – mísseis intercontinentais – a partir de observações de eclipses visíveis no Brasil nos anos 1940, usando um conjunto de documentos classificados como secretos em sua época de produção. Atualmente, ele investiga relações entre a construção do conhecimento científico e suas implicações políticas/militares no Brasil na segunda metade do século XX, a partir dos Estudos Sociais de Ciência.


  •  Juan Andrés Queijo Olano

foto-juanqueijo-anii

Juan é estudante de mestrado em Filosofia da Ciência pela Universidad de la República (Udelar) de Uruguay. Realizou a graduação na Faculdade de Informação e Comunicaçã(Udelar), e estudos na Faculdade de Filosofia (Udelar). Tem pós-graduação em Políticas e Gestão da Comunicação (FLACSO, Buenos Aires). É  Professor Associado pelo Departamento de Metodologia da Faculdade de Informação e Comunicaçã(Udelar), e Professor da História das Ideias do Centro Universitario Regional Este (Udelar). É membro do grupo de Pesquisa “Signos, representación científica y constructivismo” pelo departamento de Historia e Filosofía da Ciência (Udelar), onde da aula de Epistemologia II. É assistente acadêmico do Reitor da Udelar (2006 – 2014). 

Interesses académicos: Ciência e Política, Science Studies, Estudos sobre a Vocação Cientifica, Ciência no Uruguai.

J MezzomoÉ bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria (2004) e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFSM (2009). Atualmente é doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Tem experiência na área de Ciência Política e pesquisa em Filosofia, especificamente na fenomenologia hermenêutica de Martin Heidegger.


  • Laura Morales-Navarro

LauraProfessora-pesquisadora em tempo integral na Universidad Autónoma del Estado de México, México.  Ela fealizouestudos doutorais em Sociologia na Lancaster University, Reino Unido; tem um Mestrado em Science and Technology Studies também na Lancaster University e é Bacharel em Psicologia pela Universidad Autónoma del Estado de México.  Suas pesquisas se inserem no campo do Science and Technology Studies, onde tem desenvolvido várias estudos etnográficos de laboratórios.  Seu trabalho gira em torno do estudo empírico, in-situ, das questões relacionadas com a ontologia política/política ontológica, concentrando-se principalmente nas áreas de ciências da saúde e práticas médicas.  Atualmente, a sua pesquisa questiona e analisa a relação humano-artefato, bem como nas oções de deficiência e normalidade, através do estudo empírico do proceso de reabilitação de pessoas amputadas e suas próteses.


L R MiguelLeonardo possui graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2003), mestrado (2006) e doutorado (2011) em Filosofia pela mesma instituição. Realizou pós-doutorado no Instituto de Medicina Social da UERJ (2012). É Professor Associado do Laboratório de Cognição e Linguagem da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia da Ciência, atuando principalmente nos seguintes temas: história da ciência inglesa século XIX, filosofia da ciência inglesa do século XIX, William Whewell, William K. Clifford. Outros interesses específicos: “Science Studies”, história e historiografia da ciência, pressupostos sociais e políticos da filosofia da ciência, relações entre ciência e ética, ciência e sociedade, biografia científica, “virtue epistemology”, conceito de progresso.


Helena SoaresMestranda na Universidade do Estado do Rio de Janeiro e graduada em Filosofia pela mesma universidade. Realizou pesquisa de iniciação científica sobre o pensamento de Gaston Bachelard à luz das possíveis influências nessa epistemologia dos autores: Henri Poincaré e Pierre Duhem. Atualmente estuda a “fenomenotécnica” e o realismo científico em Bachelard.

 


  •  Mônica F. Corrêa

M CorreaPossui graduação em licenciatura em química (1987), e bacharelado (2010) e licenciatura (2011) em filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ. Obteve o grau de mestre em filosofia (2013) pela UERJ, com dissertação sobre a relação entre conceitos espinosistas e noções científicas da biologia em Antonio Damasio e em Henri Atlan. Atualmente é doutoranda em filosofia na UERJ, onde investiga a neurobiologia afetiva com o propósito de contribuir na construção de uma perspectiva filosófica em consonância com a recente valorização do papel corpo no estudo das emoções.


PriscilaPossui graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(2004) e mestrado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro(2007). Doutora em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2013). Atua na área de Filosofia da Ciência com pesquisa  sobre o tema do debate entre realismo e relativismo.


Fotos Fev-Jun. 2013 579

Natural de Santa Maria, RS, estudou na Escola Estadual Edson Figueiredo até o início da 7ª série, concluindo esta etapa da educação formal na EscolaMunicipal Dom Luís Victor Sartori. No ensino médio estudou na Escola Estadual Manoel Ribas. Seu curso de graduação em Filosofia foi realizado na Universidade Federal de Santa Maria, realizando pesquisa de iniciação científica sobre “O pensamento político de Platão” e “Introdução à problemática  temporal em Ser e Tempo, de Martin Heidegger”. O mestrado, na mesma instituição, foi também em Heidegger: “Linguagem e Mundo: a fenomenologia do sinal em Ser e Tempo de Martin Heidegger”. Foi professor por um semestre da UNISC – Universidade de Santa Cruz do Sul, RS, atuando em seguida por longo período na Unochapecó – Universidade Comunitária Regional de Chapecó, SC. Neste período além de professor, atuou como Coordenador do Curso de Filosofia e do Programa de Extensão Café Filosófico, destinado a estudantes de escolas de ensino médio de Chapecó e região. Em 2008 iniciou sua atividade docente e de pesquisa na UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz em Ilhéus, BA. Em 2012 começou o doutorado na UERJ – Universidade Estadual do Rio de janeiro: “Interpretação, significado e verdade fenomenológica: a viabilidade (possibilidade) de uma hermenêutica das ciências naturais” – e a participação neste grupo.


V MossProfessora Associada da Estadual do Norte Fluminense (UENF) no Laboratório de Cognição e Linguagem (LCL). Possui doutorado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010); Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005); Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999). Pós Doutorado (PDJ/CNPq) em Filosofia na UERJ. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia, atuando principalmente nos seguintes temas: Filosofia da Ciência; Estudos Sociais de Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS); Science Studies; Novo Modo de Produção na Ciência Contemporânea; John Michael Ziman. Possui experiência em ensino à distância (EAD) no IBMEC online e no FGV online.


  • Vinicius Carvalho da Silva

V CarvalhoDoutorando e Mestre em Filosofia da Ciência e Teoria do Conhecimento pelo PPGFIL-UERJ. Foi bolsista CAPES, CNPq e UERJ. Graduado em Filosofia pela UERJ. No mestrado pesquisou problemas lógicos e filosóficos na mecânica quântica a partir da interpretação de Werner Heisenberg. No doutorado investiga a presença de pressupostos metafísicos nas teorias científicas. É membro colaborador do Hands-on-CERN, projeto de educação científica em física de partículas, promovido pelo European Organization for Nuclear Research (CERN) no Departamento de Física Nuclear e Altas Energias da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (DFNAE-UERJ). Como professor do Ensino Médio busca elaborar projetos de educação científica interdisciplinar, demonstrando as conexões entre Ciências, Filosofia e História da Ciência, por meio de ferramentas como o “micro-observatório robótico” da Harvard-Smithsonian e NASA. Deste modo, seus alunos são ensinados a fazer experimentos em astrofotografia remota a partir dos micro-observatórios. Assim como no Hands on CERN, o objetivo é fazer com que o estudante aprenda ciência contextualizada, “fazendo ciência”. É colaborador da Faculdade Messiânica, de São Paulo, lecionando e pesquisando em projetos ligados à pós-graduação, graduação e extensão, presencial e EAD, elaborando e ministrando cursos que exploram a interface Ciência-Teologia.


47 respostas para Quem somos

  1. L Miguel disse:

    Ficou bacana, mas vocês precisam me ensinar a lidar com isso aqui!
    Testando…

    • estudosdects disse:

      Bom que gostou! Também estamos aprendendo…

    • Sou Guido Paulino Muamuiro, licenciado em Ensino de Filosofia pela Universidade Pedagógica de Moçambique, Delegação de Quelimane, onde desde ano passado lecciono as cadeiras de Filosofia da pós-modernidade e epistemologia. Estou interessado em concorrer uma das bolsas do CNPq para aprofundar meus estudos seguindo a linha de pesquisa de epistemologia sob orientação de PhD Leonardo Rogério Miguel. Que faço para ter a carta de acreditação?

  2. Pingback: “As farmacêuticas bloqueiam medicamentos que curam, porque não são rentáveis” | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  3. Pingback: Inovar para quê? | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  4. Pingback: Scandale autour d’un médicament vedette contre l’hypertension | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  5. Pingback: ‘Scientists falsify data to get research published and whistleblowers are bullied into keeping quiet,’ claim their own colleagues | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  6. Pingback: Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  7. Pingback: Why the Higgs Boson Matters | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  8. Pingback: The Institute for Science, Innovation and Society (InSIS) | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  9. Pingback: Anomia niilista | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  10. Pingback: “We Think That We Think Clearly, But That’s Only Because We Don’t Think Clearly”:Brian Josephson on Mathematics, Mind, and the Human World* | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  11. Pingback: Declaração recomenda eliminar o uso do Fator de Impacto na Avaliação de Pesquisa | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  12. Pingback: “A ciência e a filosofia dos modernos” de Paolo Rossi: exposição e breves comentários de algumas passagens. | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  13. Pingback: Roda Viva | Mídia Ninja | | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  14. Pingback: O Cara, texto de Woody Allen | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  15. Pingback: A ciência brasileira não é feita por cientistas, afirma professora da UFRJ News – Latest | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  16. Pingback: O poder de abstração e o seu antagonismo. Sobre as psicopatologias do capitalismo cognitivo, por Matteo Pasquinelli | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  17. Pingback: Devemos viver até aos mil anos? | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  18. Pingback: O patriarca da ciência | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  19. Pingback: Why Slavoj Zizek is a Waste of Space for the Social Scientifically Literate Left | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  20. Pingback: Unusual Method – A Conversation with Steve Fuller About the Philosophy of Science | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  21. Pingback: The 20 big questions in science | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  22. Pingback: Evaluating the Profession of Philosophy | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  23. Pingback: ‘Bionic man’ warns of ethical minefield | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  24. Pingback: A rua e o poder | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  25. Pingback: Boaventura: “Não haverá sociedade democrática enquanto houver capitalismo” | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  26. Pingback: 1º ENCONTRO DO GP DE SCIENCE STUDIES DA UEM – André Mendonça | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  27. Pingback: A ciência criativa | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  28. Pingback: As patentes genéticas e a ‘cultura do medo’ | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  29. Pingback: O debate sobre a racionalidade | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  30. Pingback: Ciências sociais lançadas ao inferno | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  31. Pingback: Mudanças nas pesquisas em psicologia? | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  32. Pingback: É a ciência a razão em ação ou ação social sem razão? | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  33. Pingback: A beleza como sinal de verdade em teorias científicas | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  34. Pingback: Os critérios de Merton-Ziman | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  35. Pingback: É isso uma sociedade? | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  36. Pingback: O Encontro entre a Tarefa Reflexiva Filosófica e o Trabalho Empírico Sociológico: Fraqueza e Força do Programa Forte | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  37. Pingback: Profª Cristina Machado fala sobre Science Studies | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  38. Pingback: Revista Contemporânea convida | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  39. Pingback: A Epistemologia Social de Steve Fuller: Superando a “Anemia Política” dos Science Studies? | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  40. Pingback: O Uso Didático da Filosofia da Ciência no Didático. Uma análise da abordagem CTS no Brasil. | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  41. Pingback: II Congresso da SFU – Relato de Antonio Augusto Passos Videira | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  42. Pingback: The 26th Baltic Conference in History of Science – Relato de Juan Queijo | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  43. Pingback: A cognição corpórea e o contexto politico da América Latina – resumo da apresentação de Tom Lemos no Congresso conjunto ESOCITE/4S | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  44. Pingback: Internacionalização e tensões da ciência latino-americana | Estudos de CTS – Estudos sociais e conceituais de ciência, tecnologia e sociedade

  45. doutoramento disse:

    obrigado por esta publicação!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s