Bibliografia recomendada

  • ALFARABI. Catálogo de las ciencias. Tradução de Angel González Palencia. Valladolid: Editorial Maxtor, 2008 [Madri: Imprenta de Estanislao Maestre, 1932].
  • ALTHUSSER, L. Filosofia e filosofia espontânea dos cientistas. Tradução de Elsa Amado Bacelar. Lisboa: Editorial Presença, 1976.
  • ALVES-MAZZOTTI,A; GEWANDSZNAJDER,F. O método nas ciências naturais e sociais. SP: Pioneira, 1998.
  • BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico. Tradução de Estela dos Santos Abreu. RJ: Contraponto, 1996.
  • ___. La psychanalyse du feu. Paris: Gallimard, 1949.
  • ___. Épistémologie. Paris: Presses Universitaires de France, 1971.
  • ___. Études. Paris, Librairie Philosophique J. Vrin, 1970.
  • BACHELARD, G.; CANGUILHEM, G.; FOUCAULT, M.; MILLER, J-A. Epistemologia. Tradução de Maria da Glória Ribeiro da Silva. RJ: Tempo Brasileiro, 1972.
  • BALIBAR, F. Galilée, Newton lus par Einstein: espace et relativité. Paris: Presses Universitaires de France, 1984.
  • BAPTISTA, A. O discurso pós-moderno contra a ciência: obscurantismo e irresponsabilidade. Lisboa: Gradiva, 2002.
  • BARBUY, Beatriz; BRAGA, Joiio; LEISTER, Nelson (orgs.). A astronomia no Brasil: depoimentos. São Paulo: Sociedade Astronômica Brasileira, 1994.
  • BIAGIOLI, M. (Ed.). The science studies reader. Routledge, 1999.
  • BIAGIOLI, M.; GALISON, P. Scientific authorship: credit and intellectual property in science. NY: Routledge, 2003.
  • BOHM, D.; KRISHNAMURTI, J. O futuro da humanidade. Tradução de Rubens Rusche. SP: Editora Cultrix, 1997.
  • BOHR, N. Física atômica e conhecimento humano. Tradução de Vera Ribeiro. RJ: Contraponto, 1995.
  • BOORSTIN, D. Os descobridores: de como homem procurou conhecer-se a si mesmo e ao mundo. Tradução de Fernanda Pinto Rodrigues. RJ: Editora Civilização Brasileira, 1989.
  • BRONOWSKI, J. Um sentido do futuro. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Editora UNB, 1077.
  • ___. Ciência e valores humanos. São Paulo: Editora Itatiaia e Editora da Universidade de São Paulo, 1979.
  • BROWN, J. (Ed.). Scientific rationality: the sociological turn. Dordrecht: D.Reidel Publishing Company, 1984.
  • BROWN, M. Science in democracy: expertise, institutions, and representation. The MIT Press, 2009.
  • BUNGE, Mario. Epistemologia. Tradução de Claudio Navarra. SP: T.A.Queiroz Editor, 1980.
  • CAMENIETZKI, C. A cruz e a luneta: ciência e religião na europa moderna. RJ: Access, 2000.
  • CANGUILHEM, G. Ideologia e racionalidade das ciências da vida. Tradução de Emília Piedade. Lisboa: Edições 70, 1977.
  • CAPRA, F. O tao da física. Tradução de José Fernando Dias. SP: Cultrix, 1985.
  • CARNAP, R. An introduction to the philosophy of science. NY: Dover, 1994.
  • CARNAP, R.; SCHLICK, M; POPPER, K. Coletânea de Textos. Tradução de Pablo Rubén Mariconda. SP: Abril S.A. Cultural e Industrial, 1975 (Coleção Os Pensadores).
  • CARVALHO, Rômulo. A ciência hermética. Lisboa: Relógio d’Água, 1996.
  • CHALMERS, Alan. A fabricação da ciência. Tradução de Beatriz Sidou. SP: UNESP,1994.
  • COLLIER, Bruce e MACLACHLAN, James. Charles Babbage and the engines of perfection. Nova York: Oxford University Press, 1998.
  • ___. O que é ciência, afinal? Tradução de Raul Fiker. SP: Brasiliense, 1993.
  • COLLINGWOOD, R. Ciência e filosofia. Tradução de Frederico Montenegro. SP: Martins Fontes, 1976.
  • COLLINS, H.; EVANS, R. The third wave of science studies: studies of expertise and experience. Social Studies of Science, v. 32, no. 2, p. 235-296, 2002.
  • ___. Rethinking expertise. University of Chicago Press, 2009.
  • ___; RIBEIRO, R.; HALL, M. Experiments with interactional expertise. Stud. Hist. Phil. Sci., v. 37, p. 656-674. 2006.
  • COMTE, A. Curso de filosofia positiva. Tradução de José Arthur Giannotti e Miguel Lemos. SP: Abril Cultural, 1978 (Coleção Os Pensadores).
  • CROWE, M.J. Theories of the world from antiquity to the copernican revolution. NY: Dover, 1990.
  • DAMPIER, W. História da ciência. Tradução de José Reis. SP: IBRASA, 1986.
  • DANCY, J. Contemporary epistemology. Malden, Oxford, Victoria: Blackwell Publishing, 1985.
  • DARWIN, C. A origem das espécies: esboço de 1842. Tradução de Mario Fondelli. RJ: Newton Compton Brasil, 1996.
  • ___. A origem das espécies. Tradução de Eugênio Amado (da 1a. ed.). BH: Editora Itatiaia, 2002.
  • DASTON, Lorraine (Org). Biographies of scientific objects. Chicago: The University of Chicago Press, 2000.
  • ___. Science Studies and the History of Science. The University of Chicago, Critical Inquiry 35, Summer 2009.
  • DEAR, P. Historiography of not-so-recent science. Hist. Sci., 1, 2012.
  • DUTRA, L. Introdução à teoria da ciência. Florianópolis: Editora da UFSC, 2003.
  • EINSTEIN, A. Pensamento político. Tradução de Maria Luiza Nogueira. SP: Editora Brasiliense, 1983.
  • ___. A teoria da relatividade especial e geral. Tradução de Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999.
  • ESCOBAR, C. As ciências e a filosofia. RJ: Imago Editora, 1975.
  • FEYERABEND, Paul. A conquista da abundância. Tradução de Cecilia Prada e Marcelo Rouanet. São Leopoldo/RS: Editora Unisinos, 2006.
  • ___. Conquest of abundance. Londres, Chicago: The University of Chicago Press, 1999.
  • ___. Against Method. 3a. ed. Londres, Nova York: Verso, 1993.
  • ___. Contra o método. 3a. ed. Tradução de Cezar Augusto Mortari. SP: Editora Unesp, 2007.
  • ___. Contra o método. 1a. ed. Tradução de Octanny S. da Mota e Leonidas Hegenberg. RJ: Francisco Alves, 1977.
  • ___. Diálogos sobre o conhecimento. Tradução de Gita Guinsburg. SP: Editora Perspectiva, 2001.
  • ___. Farewell to reason. Londres, Nova York: Verso, 1994 [1987].
  • ___. Adeus à razão. Tradução de Vera Joscelyne. SP: Unesp, 2010.
  • ___. Matando o tempo: uma autobiografia. Tradução de Raul Fiker. SP: Editora UNESP, 1996.
  • ___. Por qué non Platón? Tradução de Maria Asunción. Madrid: Tecnos ed., 1993.
  • ___. Ciência em uma sociedade livre. SP: Editora UNESP, 2011.
  • FEYNMAN, R. O prazer da descoberta. Tradução de Ana Correia Moutinho. Lisboa: Gradiva, 2006.
  • FITAS, A.; RODRIGUES, M.; NUNES, M. Filosofia e história da ciência em Portugal no século XX. Casal de Cambra: Caleidoscópio, 2008.
  • FIKER, R. O conhecer e o saber em Francis Bacon. SP: Nova Alexandria/Fapesp, 1996.
  • FONTENELLE. Diálogo sobre a pluralidade dos mundos. Tradução de Denise Bottmann. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993.
  • FOUCAULT, M. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Tradução de Elisa Monteiro. RJ: Forense Universitária, 2000 (Coleção Ditos e Escritos II).
  • FULLER, S. Social epistemology and the research agenda of science studies. In: PICKERING, A. (Ed.). Science as practice and culture. Chicago: University of Chicago Press, 1992, p. 390-428.
  • GALILEI, G. Diálogo dos grandes sistemas (primeira jornada). Tradução de Mario Brito. Lisboa: Publicações Gradiva, 1980.
  • ___. A mensagem das estrelas. Tradução de Carlos Ziller Camenietzki. RJ: MAST, 1987.
  • GALISON, Peter. How experiments end. Chicago: University Chicago Press, 1987.
  • ___. Image and logic: a material culture of microphysics. Chicago & Londres: The University of Chicago Press, 1997.
  • ___. Os relógios de Einstein e os mapas de Poincaré. Tradução de Nuno Garrido de Figueiredo. Lisboa: Gradiva, 2005.
  • ___. “Culturas etéreas e culturas materiais”. In: GIL, F. (Org.). A ciência tal qual se faz. Lisboa: Edições João Sá da Costa, 1999 (Coleção Humanismo e Ciência).
  • ___; STUMP, D. J. (Ed.) The disunity of science: boundaries, contexts, and power. Stanford CA: Stanford University Press., 1996.
  • GIERE, Ronald N. (org.). Cognitive models of science. Minneapolis: University of Minnesota Pres., 1992.
  • GIL, Fernando. (Org.). A ciência tal qual se faz. Lisboa: Edições João Sá da Costa, 1999 (Coleção Humanismo e Ciência).
  • GILES, J. Sociologist fools physics judges. Nature, v. 442, p. 8, 6 jul. 2006.
  • GODFREY-SMITH, Peter. Theory and reality: an introduction to the philosophy of science. Chicago: The University of Chicago Press, 2003.
  • GRANT, E. Physical science in the middle ages. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.
  • HACKETT, E.; AMSTERDAMSKA, O.; LYNCH, M; WAJCMAN, J. (Eds.). The handbook of science and technology studies. Third Edition. The MIT Press, 2007.
  • HACKING, Ian. Representing and intervening. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.
  • ___. Representar e intervir. Tradução de Pedro Rocha. Revisão de Antonio Augusto Passos Videira. Introdução de André Mendonça. RJ: EdUERJ, 2012.
  • HAHN, H; NEURATH, O; CARNAP, R. A concepção científica do mundo. SP: Cadernos de história e filosofia da ciência 10 (1986), pp. 5-20.
  • HANSON, N. R. Patterns of discovery. Cambridge University Press, 1958.
  • HARDING, S. Science and democracy: replayed or redesigned? Social Epistemology, v. 19, no 1, p. 5-18, jan.-mar. 2005.
  • HAWKING, S. A brief history of time: from the big bang to black holes. Toronto, NY, Londres, Sydney, Auckland: Bantam Books, 1988.
  • ___. O universo numa casca de noz. Tradução de Ivo Korytowski. SP: Arx, 2001.
  • HEMPEL, C. Filosofia da ciência natural. Tradução de Plinio Sussekind Rocha. RJ: Zahar Editores, 1974.
  • HESS, D. Science Studies: an advanced introduction. NYU Press, 1997.
  • JACOB, F. A lógica da vida. Tradução de Ângela Loureiro de Souza. RJ: Edições Graal, 1983.
  • JOHNSON, Mark. The body in the mind. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.
  • KOYRÉ, Alexandre. Do mundo fechado ao universo infinito. Tradução de Donaldson M. Garschagen. RJ: Forense universitária, 2001.
  • ___. Estudos de história do pensamento científico. Tradução de Márcio Ramalho. RJ: Forense universitária,1991.
  • ___. La révolution astronomique: Copernic, Kepler, Borelli. Paris: Hermann, 1961.
  • KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz e Nelson Boeira. SP: Perspectiva, 1996.
  • ___. The structure of scientific revolutions. Chicago: The University of Chicago Press, 1970.
  • ___. A revolução copernicana. Tradução de Marília Costa Fontes. Lisboa: Edições 70, 1957.
  • ___. A tensão essencial. Tradução de Rui Pacheco. Lisboa: Edições 70, 1989.
  • ___. O caminho desde a estrutura. Tradução de César Mortari. SP: UNESP, 2006.
  • LAKATOS, I. Falsificação e metodologia dos programas de investigação científica. Tradução de Emília Picado Tavares Marinho Mendes. Lisboa: Edições 70, 1999.
  • LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A (Org.). Criticism and the growth of knowledge. London: Cambridge University Press, 1970.
  • ___. A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. SP: Cultrix/EDUSP, 1979.
  • LAKOFF, George e JOHNSON, Mark. Metaphors we live by. Chicago: University of    Chicago Press, 1980.
  • ____. Philosophy in the flesh: the embodied mind and its challenge to western thought. Nova York: Basic Books, 1999.
  • LATOUR, Bruno. Políticas da natureza – como fazer ciência na democracia. Bauru/SP: EDUSC, 2004.
  • ___. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.
  • ___. For David Bloor… and beyond: a reply to David Bloor’s “anti-Latour”. Stud. Hist. Phil. Sci., v. 30, no. 1, p. 113-129, 1999.
  • ___.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.
  • LAUDAN, Larry. Beyond positivism and relativism. Colorado: Westview Press Inc., 1996.
  • ___. Progress and its problems. Londres: Routlege & Keagan Paul Ltd., 1977.
  • LEITÃO, H. (Coord.). O livro científico dos séculos XV e XVI. Lisboa: BN, 2004.
  • LENOIR, T. Instituindo a ciência: a produção cultural das disciplinas científicas. Tradução de Alessandro Zir. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2004.
  • LOSEE, J. Introdução histórica à filosofia da ciência. Tradução de Borisas Cimbleris. BH/SP: Ed. Itatiaia/Ed. da USP, 1979.
  • MAGEE, B. As idéias de Popper. Tradução de Octanny S. da Mota e Leonidas Hegenberg. SP: Editora Cultrix, 1973.
  • MASOOD, Ehsan. Science and Islam: a history. Londres: Icon Books, 2009.
  • McGUIRE, J. E.; TUCHANSKA, B. Science unfettered: a philosophical study in sociohistorical ontology. Athens: Ohio University Press, 2000.
  • MONTGOMERY, S. Science in translation: movements of knowledge through cultures and time. University of Chicago Press, 2002.
  • MORGENBESSER, Sidney. (Org.). Filosofia da ciência. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. SP: Editora Cultrix, 1975.
  • NELSON, A. How could scientific facts be socially constructed? Stud. Hist. Phil. Sci., v. 25, no. 4, p. 535-547, 1994.
  • NEUGEBAUER, O. The exact sciences in antiquity. NY: Dover Publications, 1969.
  • NICKLES, Thomas. “Philosophy of science and history of science”. In: OSIRIS 1995, 10: 139-163.
  • OLIVA, A. Filosofia da ciência. RJ: Jorge Zahar Ed., 2003 (Passo-a-passo; 31).
  • ___. Anarquismo e conhecimento. RJ: Jorge Zahar Ed., 2005 (Passo-a-passo; 58).
  • OMNÈS, Roland. A filosofia da ciência contemporânea. Tradução de Roberto Leal Ferreira. SP: UNESP, 1997.
  • PATY, M. Einstein. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Estação Liberdade, 2008.
  • ___. Einstein philosophe. França : Presses universitaires de France, 1993.
  • ___. A matéria roubada. São Paulo: Edusp, 1995.
  • ___. L’analyse critique des sciences: Le tetraedre epistemologique (science, philosophie, epistemologie, histoire des sciences). França : L’harmattan, 2000.
  • ___. D’Alembert, a razão físico-matemática no século das luzes. Tradução de Flávia Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2005.
  • ___. A Física do século XX. Aparecida: Idéias & Letras, 2009.
  • PESTRE, Dominique. “Thirty years of science studies: knowledge, society and the political”. In: History and technology, vol. 20, no. 4, dezembro/2004, pp.351-369.
  • ___. Por uma nova história social e cultural das ciências: novas definições, novos objetos, novas abordagens. In: GIL, F. (Org.). A ciência tal qual se faz. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1999.
  • PICKERING, Andrew. (Ed.). Science as practice and culture. Chicago: University Chicago Press, 1992.
  • ___. From science as knowledge to science as practice. In: ___. Science as practice and culture. Chicago: University of Chicago Press, 1992, p. 1-26.
  • ___. Reading the structure. Perspectives on Science, v. 9, no. 4, 499-510, 2001.
  • PIÑERO, J. Historia de la ciencia y de la técnica en la corona de Castilla. Volume III. Junta de Castilla Y León, Consejería de Educación y Cultura, 2002.
  • PINNICK, C.; GALE, G. Philosophy of science and history of science: a troubling interaction. Journal for General Philosophy of Science, v. 31, p. 109-125, 2000.
  • POINCARÉ, H. O valor da ciência. Tradução de Maria Helena Franco Martins. RJ: Contraponto, 1995.
  • ___. A ciência e a hipótese. Tradução de Maria Auxiliadora Kneipp. Brasília: Editiora da UNB, 1985.
  • POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. SP: Editora Cultrix, 1975.
  • ___. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Tradução de Milton Amado. BH: Ed. Itatiaia, SP: Editora da Universidade de São Paulo, 1975.
  • ___. Conjecturas e refutações. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Editora UNB, 1982.
  • ___. Lógica das ciências sociais. Tradução de Estevão de Rezende Martins, Apio Cláudio Muniz Acquarone Filho e Vilma de Oliveira Moraes e Silva. RJ/Brasília: Tempo Brasileiro/Editora Universidade de Brasília, 1978.
  • ___. O mito do contexto. Tradução de Paula Taipas. Lisboa: Edições 70, 1999.
  • PORTOCARRERO, Vera (Org.). Filosofia, história e sociologia das ciências I: abordagens contemporâneas. RJ: Fiocruz, 1994.
  • PRADE, P. Crônica do julgamento de Galileu: poder e saber. Curitiba: Casa de Idéias, 1992.
  • PRIGOGINE, I.; STENGERS, I. A nova aliança. Tradução de Miguel Faria e Maria Joaquina Machado Trincheira. Brasília: Editora UNB, 1984.
  • ROSSI, Paolo. A ciência e a filosofia dos modernos. Tradução de Álvaro Lorencini. SP: UNESP, 1992.
  • SANTOS, S. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1987.
  • ___. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: “Um discurso sobre as ciências” revisitado. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • SECORD, J. Knowledge in transit. Isis, 2004, 95:654-672.
  • SHAPIN, Steven. A revolução científica. Tradução de Ricardo Afonso Roque. Lisboa: Difel, 1999.
  • SIMAAN, A. A imagem do mundo: dos babilônios a Newton. Tradução de Dorothée de Bruchard. SP: Companhia das Letras, 2003.
  • SNOW, C. P. As duas culturas e uma segunda leitura. Tradução de Geraldo Gerson de Souza e Renato de Azevedo Rezende. São Paulo: Ed. USP, 1995.
  • STENGERS, Isabelle. A invenção das ciências modernas. Tradução de Max Altman. SP: Editora 34, 2002.
  • ___.; NATHAN, T. Médecins et sorciers. Le Plessis-Robinson: Synthélabo, 1995.
  • THAGARD, Paul. Computational philosophy of science. Cambridge: The MIT Press,1993.
  • TOULMIN, S. Reason in ethics. Cambridge: Cambridge University Press, 1970.
  • VARELA, Francisco; THOMPSON, Evan e ROSCH, Eleanor.  The embodied mind:     cognitive science and the human experience. Cambridge: The  MIT Press, 1999.
  • VIEIRA, Cássio Leite (ed.). ON 175 anos. RJ: ON/MCT, 2002.
  • WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. SP: Editora Cultrix, 1972.
  • WESTFALL, R. The construction of modern science. Londres: Cambridge University Press, 1977.
  • WHITEHEAD, Alfred North. O conceito de natureza. Tradução de Júlio B. Fischer. SP: Martins Fontes, 1993 [1920].
  • WIGHTMAN, W.P.D. Science in a renaissance society. Londres: Hutchinson & CO, 1972.
  • ZIMAN, John. O conhecimento confiável. Tradução de Tomás R. Bueno. Campinas: Papirus Editora, 1996.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s